Feeds:
Posts
Comentários

            No dia 23 de setembro de 2016, o aluno do Programa de Pós-graduação em Bioquímica da UFRN, Daniel Chaves de Lima, defendeu sua tese de doutorado intitulada “Characterization of RadA/Sms from Chromobacterium violaceum and discovery of a new episome”. A banca era composta pelos professores Sávio Torres de Farias (UFPB), Leonam Gomes Coutinho (IFRN), Jorge Estefano Santana de Souza (UFRN), Raquel Cordeiro Teodoro (UFRN) e pela orientadora Silvia Regina Batistuzzo de Medeiros (UFRN).

            Em sua tese, o aluno descreve a caracterização Bioquímica de um parálogo da proteína RecA, a RadA/Sms, em Chromobacterium violaceum. Além disso, a tese mostra os procedimentos que levaram a descoberta e caracterização de um novo plasmídeo encontrado nesta bactéria. O trabalho foi realizado em colaboração com o Centre de Recherche en Cancérologie de Marseille, na França, sob co-orientação do chefe de pesquisa Mauro Modesti, PhD, com bolsa do projeto CAPES-Cofecub.

            Daniel foi aluno do III Curso de Férias de Genética promovido pelo LBMG em 2005, com apoio financeiro da fundação Vitae, quando cursava o segundo ano do ensino médio no CEFET. Na época, foi selecionado para ser estagiário e bolsista de Iniciação Científica Junior no Laboratório de Biologia Molecular e Genômica (LBMG) mas por motivos pessoais não pôde participar do estágio. Em 2007, iniciou a sua graduação em Ciências Biológicas e já nos primeiros meses do curso vinculou-se ao LBMG como aluno de Iniciação Científica sob orientação da professora Dr. Silvia Regina Batistuzzo de Medeiros que também orientou sua dissertação de mestrado, entre 2010 e 2012.

            Entre 2013 e 2014 Daniel teve a oportunidade de participar de um estágio de Doutorado-Sanduíche no Centro de Pesquisa em Câncer de Marselha (CRCM), na França. A bolsa de estudos, uma das milhares oferecidas pelo último governo da Presidenta Dilma, foi obtida por meio do edital CAPES-COFECUB, que visa um intercâmbio entre instituições do Brasil e França. Atualmente, Daniel é Professor do Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN), Campus Ipanguaçu.

    Foi publicado em junho de 2016 o segundo artigo do grupo ProteoChromo do Laboratório de Biologia Molecular e Genômica (LBMG). O trabalho, intitulado “GeLC-MS-based proteomics of Chromobacterium violaceum: comparison of proteome changes elicited by hydrogen peroxide” teve seu aceite na revista Scientific Reports, do grupo Nature. Nesta pesquisa, o grupo descreve o maior proteoma da C. violaceum obtido até então, no qual mais de 1400 proteínas foram detectadas. Além disso, o grupo descreve o mecanismo de aclimatação desta bactéria cultivada em alta concentração de peróxido de hidrogênio, que induz estresse oxidativo.

Confira o abstract: Chromobacterium violaceum is a free-living bacillus with several genes that enables it survival under different harsh environments such as oxidative and temperature stresses. Here we performed a label-free quantitative proteomic study to unravel the molecular mechanisms that enable C. violaceum to survive oxidative stress. To achieve this, total proteins extracted from control and C. violaceum cultures exposed during two hours with 8 mM hydrogen peroxide were analyzed using GeLC-MS proteomics. Analysis revealed that under the stress condition, the bacterium expressed proteins that protected it from the damage caused by reactive oxygen condition and decreasing the abundance of proteins responsible for bacterial growth and catabolism. GeLC-MS proteomics analysis provided an overview of the metabolic pathways involved in the response of C. violaceum to oxidative stress ultimately aggregating knowledge of the response of this organism to environmental stress. This study identified approximately 1500 proteins, generating the largest proteomic coverage of C. violaceum so far. We also detected proteins with unknown function that we hypothesize to be part of new mechanisms related to oxidative stress defense. Finally, we identified the mechanism of clustered regularly interspaced short palindromic repeats (CRISPR), which has not yet been reported for this organism.

O artigo completo pode ser encontrado no link: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27321545.

O primeiro trabalho da equipe foi publicado em 2014 na revista BMC Microbiology e investigou os mecanismos de adaptação da C. violaceum cultivada em altas concentrações de ferro.

        Em reunião realizada em setembro de 2016 pelo colegiado geral do programa de doutorado Rede Nordeste de Biotecnologia (RENORBIO) a UFRN foi eleita como nova sede do programa, tendo domo coordenadora geral a Dra. Lucymara F. Agnez Lima (LBMG-DBG-UFRN), cujo mandato inicia-se em janeiro de 2017.  A Rede Nordeste de Biotecnologia (RENORBIO) foi criada em novembro de 2004 pelo Ministério da Ciência e Tecnologia com a finalidade de promover o avanço científico tecnológico, formar e capacitar recursos humanos na área. Trata-se de uma rede de pesquisa, cuja base é o programa de Doutorado em Biotecnologia (PPGB-RENORBIO, http://www.renorbio.org.br/portal/nucleo-de-posgraduacao.htm), nota 5 na CAPES, iniciado em setembro de 2006. Sendo um programa em Rede, sua sede é itinerante e eleita a cada dois anos. No momento, sua sede está na UFRPE e a partir de janeiro de 2017, passará para UFRN. Atualmente o programa conta com 248 professores e 791 alunos matriculados.

       O trabalho intitulado “A study on eco-geographical influence on hydrocarbon-degrading and surfactant producing gene diversity using public-data”, apresentado pelo doutorando Jorge Oliveira do programa de pós-graduação em Biotecnologia (RENORBIO), foi premiado como melhor pôster de pós-graduação, área Biotecnologia Industrial, no XIV Simpósio do Centro de Biociências da UFRN. Este evento é uma reunião científica bianual integrada à semana de Ciência e Tecnologia da UFRN e tem como objetivos promover um fórum de discussão científica, agregando os nove departamentos e dez programas de pós-graduação que compõem o centro. Além disso visa criar um ambiente para interação entre os setores produtivos e a academia, buscando soluções para problemas de mercado.  O evento contou com um público de cerca de 300 pessoas, incluindo  estudantes e docentes da UFRN e de outras universidades públicas e privadas, e profissionais que atuam nas diversas áreas das biociências. Este ano o simpósio teve como tema “Bioeconomia: impactos da biotecnologia no desenvolvimento regional”.

            A Conferência DNA Repair: Tumor Development and Therapeutic Response, ocorreu entre os dias 02 e 05 de novembro, em Montreal, Canadá.  Este é evento organizado pela AACR – Associação Americana de Pesquisa em Câncer e congrega os principais pesquisadores da área. A Dra. Tirzah Braz Petta Lajus (LBMG-DBG-UFRN) participou da conferência apresentando o trabalho “The identification of germline mutations in DNA repair genes in Brazilian individuals at-risk for hereditary breast cancer”, o qual foi premiado no evento. Os dados apresentados fazem parte da tese de doutorado da aluna Ana Rafaela de Souza Timoteo (doutoranda em Bioquímica-UFR), cuja defesa está marcada para dia 12 de dezembro de 2016. Esse trabalho foi realizado em colaboração com o Hospital Liga Contra o Câncer de Natal e envolve uma abordagem multidisciplinar envolvendo pesquisadores e discentes do DBG-UFRN, IMD-UFRN e Liga Contra o Câncer. Parabéns a toda equipe!!!

O evento ocorreu entre os dias 24 a 26 de outubro de 2016, na sede do CNPq, em Brasília-DF, tendo como principais objetivos a discussão de resultados obtidos pelos projetos apoiados no âmbito da chamada MCTI/CNPq/FNDCT Ação Transversal – Redes Regionais de Pesquisa em Biodiversidade e Biotecnologia Nº 79/2013, a integração entre pesquisadores das diferentes redes e a discussão de ações futuras. Nesta ocasião a Dra. Lucymara F. Agnez Lima (LBMG-DBG-UFRN), apresentou os resultados obtidos pela rede “Metagenômica aplicada a biorremediação”, da qual fazem parte pesquisadores e estudantes da UFRN, UFC e UFPB. O objetivo geral dessa rede é Desenvolvimento de remediadores biológicos para tratamento de resíduos da indústria petroquímica e agrícola, para tanto ferramentas da metagenômica, genética de microrganismos e microbiologia estão sendo usadas para identificação de organismos, genes e proteínas envolvidos em processos de biodegradação de poluentes e produção de biossurfactantes.

          O ENGENE (http://www.engene-sbg.com.br/2016/index.php) é um evento bianual apoiado pela Sociedade Brasileira de Genética (SBG, www.sbg.org.br), que reúne pesquisadores das diferentes áreas da Genética e suas interfaces no âmbito das Ciências Biológicas, Saúde, Agropecuária e Meio Ambiente. O encontro será realizado entre os dias 29 de novembro a 02 de dezembro, na UFPE, Recife, PE, e contará com a participação de pesquisadores do LBMG, que estarão apresentando palestras e discentes de graduação e pós-graduação, os quais apresentam seus trabalhos na forma de painéis. Vale destacar que os trabalhos dos discentes Sinara Carla da S. Araújo (doutoranda em Bioquímica) e Jorge Oliveira (doutorando em Biotecnologia) foram selecionados para apresentação oral e concorrem ao prêmio pós-graduação. Parabéns meninos!

Confira abaixo os trabalhos que serão apresentados:

Palestras:

Radioatividade Natural como Problemática de Saúde Pública em Países em Desenvolvimento – Dra. Viviane Souza do Amaral (DBG-UFRN)

Estudos de Genotoxicidade Aplicados na Avaliação dos Efeitos da Queima de Biomassa – Dr. Marcos Felipe de Oliveira Galvão – (DBG-UFRN)

Metagenômica aplicada a biorremediação – Dra. Lucymara Fassarela Agnez (DBG-UFRN)

Comunicações orais dos discentes:

Prospecção e obtenção de um biossurfactante derivado de uma biblioteca metagenomica – Doutoranda Sinara Carla da S. Araújo, categoria prêmio pós-graduação Genética de Microrganismos

A study on eco-geographical influence on hydrocarbon-degrading and surfactant producing gene diversity using public-data – Doutorando Jorge Oliveira, categoria prêmio pós-graduação Genômica, Bioinformática e Biologia de Sistemas