Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Ensaio’ Category

O trabalho “Genetic polymorphisms associated with the inflammatory response in bacterial meningitis”, da aluna Fabrícia Lima Fontes, doutoranda em Ciências da Saúde (UFRN), sob supervisão da Dr. Lucymara F. Agnez Lima, foi publicado no jornal BMC Medical Genetics. Nesse novo trabalho os pesquisadores descrevem a associação de alelos dos genes APEX1, TNF, IL8 e AADAT com ocorrência de meningite bacteriana e com alterações na resposta inflamatória induzida durante a doença. Este estudo revelou uma associação significativa entre a variabilidade genética e resposta inflamatória, envolvendo vias importantes que são ativadas durante a meningite. O trabalho traz uma contribuição para uma melhor compreensão da patogênese dessa doença, o que pode ter repercussão no desenvolvimento de novas abordagens terapêuticas. Confira o a artigo completo acessando o link abaixo:

Fabrícia Lima Fontes FL, AraújoLF, Coutinho LG, Leib SL and Agnez-Lima LF. Genetic polymorphisms associated with the inflammatory response in bacterial meningitis. BMC Medical Genetics2015, 16:70. doi:10.1186/s12881-015-0218-6. 

 

Read Full Post »

A região semi-árida do Brasil é caracterizada por uma estação chuvosa curta anual e longos períodos de forte seca. Nesse contexto, o beneficiamento artesanal da castanha de caju é uma alternativa socialmente e financeiramente viável, pois além de poder ser desenvolvida por todos os membros de uma família, é um produto facilmente comercializável. No entanto, a falta de assistência aos trabalhadores, a informalidade da atividade e a falta de conhecimento por parte da sociedade em geral sobre as condições nas quais ocorre a queima da castanha de caju dificultam o controle dos potenciais efeitos nocivos associados a este tipo de atividade.

 

A geração de informação científica qualificada é um requisito fundamental para a elaboração de políticas públicas que visam à melhoria da qualidade da população exposta. Neste sentido, os pesquisadores do LBMG e LAMA publicaram recentemente o artigo “Cashew nut roasting: Chemical characterization of particulate matter and genotocixity analysis” na revista Environmental Research.

 

O trabalho é de autoria do doutorando Marcos Felipe de Oliveira Galvão, orientado pela Profª Silvia Batistuzzo e conta com a colaboração do Prof. Thiago de Melo Cabral e em parceria com o Laboratório de Poluição Atmosférica Experimental da USP, Paulo Afonso de André e Paulo Hilário Nascimento Saldiva; Departamento de Ciências Atmosféricas da USP, Maria de Fátima Andrade e Regina Maura de Miranda; e do Laboratório de Estudos em Química Atmosférica do IQ-USP, Pérola de Castro Vasconcellos.

 

Para acessá-lo na íntegra, clique aqui.

 

Os resultados possibilitaram a identificação de um problema ocupacional grave, com sérios riscos aos trabalhadores que exercem a atividade. Diante disto, a adoção de medidas preventivas e de melhores práticas, tais como o uso de exaustores coletivos e equipamentos de segurança (máscaras) são de fundamental importância para o desenvolvimento sustentável da atividade e melhoria na qualidade de vida dos trabalhadores.

 

Devemos sempre lembrar da importância e necessidade de tornar o conhecimento científico, em geral publicado em periódicos, acessível a todos. Assim sendo, os resultados obtidos no presente artigo foram trabalhados durante o “1° Curso de Férias de Análises Genotóxicas e Educação Ambiental: trabalhando a queima da castanha de caju”, que utilizou de uma linguagem lúdica e do método cientifico para estimular professores e alunos da rede pública do município de João Câmara (objeto de estudo do artigo) a trabalhar o tema da queima da castanha de caju em sala de aula.

 

Texto: Marcos Felipe

Doutorando do Programa de Pós-graduação em Bioquímica – UFRN.

Read Full Post »

 A justaposição da expressão “Saúde Pública” com o adjetivo “molecular” ainda é passível de provocar certo desconforto para muitos profissionais da saúde. Como se houvesse algo destoante na vinculação de idéias pertencentes a dois campos distintos, tanto em termos de seus marcos de referência como de suas práticas. Até pouco tempo no Brasil, a prática da saúde pública, preocupou-se com os determinantes ambientais e sociais da saúde e da doença com pouca atenção às variações genômicas da população.

A partir da avaliação genética pelas técnicas de biologia molecular e citogenética amplia-se o conhecimento sobre as doenças genéticas, o mapeamento de áreas de risco pelo rastreamento populacional para certas doenças, bem como se torna possível detectar infecções de difícil diagnóstico e determinar sua carga viral. Isso mostra como a Saúde Pública se encontra comprometida com a dimensão das informações que a genética pode fornecer, uma vez que se dispõe de ferramentas técnicas e conceituais para o estudo de um grande número de enfermidades. Outro aspecto importante que tem sido bastante discutido entre pesquisadores é a utilização de terapia com células-tronco na Medicina Regenerativa, e a utilização da Farmacogênomica para a indicação dos tratamentos medicamentosos, mostrando que tais abordagens significariam em ganho para o SUS (Sistema Único de Saúde) pela diminuição de tempo da internação de pacientes, direcionamento da terapia medicamentosa evitando os possíveis efeitos adversos e aumentando as porcentagens de cura do paciente eredução do pagamento de pensões indenizatórias por invalidez.

Atualmente no Brasil, o SUS fornece o diagnóstico por citogenética das principais alterações cromossômicas numéricas em praticamente todas as capitais do País, e diagnóstico das alterações estruturais apenas nos grandes centros como São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília. Os testes de biologia molecular vêm sendo implantado em todas as capitais desde 05 de fevereiro de 2002, pela Portaria nº 262/2002 para a triagem de HIV e HCV em bolsas de sangue em Serviços de hemoterapia utilizando a tecnologia de PCR em tempo real. Os laboratórios centrais (LACENs) ainda dispõem de exame molecular para confirmação dos diagnósticos de Hepatites virais e AIDS.

Com o intuito de expandir a utilização das tecnologias de análises genéticas o Ministério da Saúde tem viabilizado a estruturação do laboratório de Biologia molecular inserido no projeto da Rede Nacional de Biologia Molecular, visando à implementação e desenvolvimento de estudos, a partir das linhas de pesquisa sobre doenças negligenciadas, alergias respiratórias, doenças infecciosas, hepatológicas e neurológicas.

Para saber mais informações, duas sugestões de leitura:

http://www.ghente.org/publicacoes/novas_tecnologias/apresentacao_carvalheiro.pdf;

http://www.abto.com.br/legislacao/por262.htm

 

Texto: Fabrícia Lima Fontes, Farmacêutica pela UFRN.

Doutoranda do programa de Pós-Graduação de Ciências da Saúde da UFRN

 

 

Read Full Post »